Lei e leitura

Doze advogados, entre eles o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Eros Grau, escreveram contos relacionados ao exercício do direito.

Acostumados ao compromisso do sigilo, aos prazos exíguos dos tribunais e à linguagem hermética, para não dar margem à dupla interpretação, os advogados têm no texto literário um desafio, afirma Pierre Moreau, organizador de 'As Letras da Lei'.

'A ideia era que, através dos contos, eles pudessem passar sua experiência profissional. Sem nada combinado, os textos ficaram bem diferentes', diz Moreau, que também assina um deles.

Os temas vão de guarda de crianças a crime na internet.

Entre os autores estão também Luís Francisco Carvalho Filho, Miguel Reale Júnior, José Gregori, Eduardo Muylaert e José Renato Nalini.

Eros Grau escreveu sobre um juiz que se abstém de julgar um caso que envolve uma antiga paixão sua --uma história, segundo afirma ele, totalmente fictícia.

'O que fizemos [na obra] foi literatura, mas o que está acontecendo hoje, em geral, no Brasil, é, seguramente, literatura fantástica', afirma.

O livro (ed. Casa da Palavra) será lançado em São Paulo no próximo dia 28.